Arquivo da categoria: Da Periferia ao Centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana

Da periferia ao centro – Revista de Antropologia / USP, V. 56, N. 2 (2013)

Imagem

 

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisa em Antropologia Urbana. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2012, 349 pp.

Alexandre Barbosa Pereira

Universidade Federal de São Paulo

Em Da periferia ao centro, José Guilherme Magnani nos apresenta sua trajetória como pesquisador de antropologia urbana. Com isso, ele também nos proporciona um importante panorama da formação desse campo de estudos no Brasil. Adaptado de sua tese de livre-docência, defendida em 2010, o livro está dividido em três partes. A primeira, “Linhagens e trajetórias”, trata justamente dessa formação da antropologia urbana brasileira e as implicações desta para a trajetória do autor. Na segunda, “Três pesquisas”, ele apresenta temas específicos de pesquisa com os quais trabalhou na cidade de São Paulo: formas de religiosidade neoesotérica, circuitos de práticas juvenis e as redes de sociabilidade dos surdos na metrópole. Enfim, na terceira parte, “Etnografia urbana”, temos uma discussão metodológica sobre as especificidades da pesquisa antropológica no contexto urbano. O livro conta com prefácio de Peter Fry e posfácio de Márcio Silva.

Continue lendo a resenha aqui

E veja aqui mais informações sobre o livro

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Da Periferia ao Centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana

Da periferia ao centro – Gazeta do Povo (Curitiba), Set/2013

periferia 2

“Em São Paulo, cidade onde mora José Magnani, cada pessoa gasta em média 2 horas e 15 minutos no trânsito diariamente. Para Curitiba, onde nasceu, ele vem a cada três ou quatro meses visitar parte da família. E encontra o mesmo problema: “Sempre pego engarrafamento. É inacreditável”, diz o professor, que esteve pela última vez por aqui na semana passada para participar do evento Cidades, Cultura e Patrimônio, promovido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Magnani discorre sobre o “exercício de cidadania” proporcionado por eventos a céu aberto na cidade, a força dos shoppings, que estimulam o “desencontro” entre as pessoas, a migração para a periferia “isolada” das grandes metrópoles, a relação do brasileiro com o automóvel e os resultados das manifestações de junho no país. “Foi como a erupção de um vulcão.””

Leia mais aqui

 

Deixe um comentário

Arquivado em Da Periferia ao Centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana

Da Periferia ao Centro – Revista Campos, julho/2013

periferia 2

Leia aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Da Periferia ao Centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana