O lendário duelo entre a Siriema e a Cascavel – blog Conta uma História, 5 de outubro de 2015

o_lend_rio_duelo_entre_a_siriema_e_a_cascavel_-_capa

“O lendário duelo entre a Siriema e a Cascavel”

Com este livro da Editora Terceiro Nome, o professor e crítico de arte paulista, Rodrigo Naves estreia na literatura infantil. Ele narra a batalha entre a siriema mãe e a cascavel que encontra um filhotinho do pássaro e pensa que teria uma bela refeição. Mas não contava que a siriema defenderia sua cria com toda coragem e força, promovendo uma memorável e poética batalha pela sobrevivência.

O autor começa a sua história, descrevendo em versos vários animais do cerrado:

“São tantos os bichos elegantes que seria trabalhoso mencioná-los todos aqui”.

Ele escolhe, então, alguns deles para destacar suas características, como os cavalos, cisnes, focas e tucanos até chegar aos personagens principais, a siriema e a cascavel.

“Quem já viu uma siriema caminhar / sabe do que falamos.

Com suas pernas finas, ela parece desfilar numa passarela.

A cada passo dá uma paradinha, / quase uma interrogação.

E em seguida continua sua marcha / pé ante pé, cuidadosa, cheia de atenção.

E segue seu caminho em busca de alimento.

Tudo é longo e delicado nessas antigas aves, / parentes dos dinossauros.

E suas pernas marrons, longas e macias, / camuflam-as com perfeição.”

E o que dizer da cascavel, que segundo o autor, “tornou-se símbolo de coragem e ousadia”:

“Embora desperte um medo instintivo, / a cascavel tem também seus encantos.

Enrodilhada, pronta para dar o bote, / faz vibrar o guiso que tem na cauda.

E ainda que não tenha pernas,

Desloca-se velozmente entre mato e espinhos,

Como se radares poderosos guiassem seus movimentos.

Por muitos e muitos anos o guiso da cascavel

Foi levado nos bolsos de homens valentes,

Para que não fraquejassem nas horas decisivas”.

Um dia, siriema e cascavel se encontram. O pássaro caiu do ninho e estava quieto debaixo de uma árvore, por isso despertou no réptil faminto a certeza de que seu almoço estava servido. Nada disso.

“A mãe siriema chegou no exato momento / em que a cobra preparava o bote

E com um forte bater de asas avisou

Que havia mais alguém envolvido na situação.

A cascavel virou-se para ela. /E teve início um dos duelos mais lembrados

pela bicharada da região”.

Quem venceu o duelo?  Isso eu não posso contar. Mas posso lembrar que

“Desse dia em diante não houve na mata / mais nenhum bicho assustador.

Pequeno ou grande, venenoso ou não,

Todos passaram a ser vistos de outro modo.

Bicho não vive de brisa. /Precisa de comida, de substância.

Do que não se sabia era que bicho / também não é apenas papo e digestão”.

E a história não termina aqui. As ilustrações que dão vida a esse embate são de Luísa Amoroso.

Leia aqui a resenha publicada originalmente no blog Conta uma História

E veja aqui mais informações sobre o livro

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em O lendário duelo entre a Siriema e a Cascavel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s