Allegro – O Estado de S.Paulo, maio/2003

  “Um fantasma que se preocupa com a própria mãe, um comerciante português que adota um adolescente mongolóide abandonado à sua porta, um menino que detecta mentiras apenas pela expressão facial – acreditando que a rotina de uma cidade pode ser marcada por fatos inusitados, o jornalista e escritor Fernando Portela produziu uma série de … Mais Allegro – O Estado de S.Paulo, maio/2003

E se a literatura se calasse? – Cultura +, maio/2011

““E se a literatura se calasse?”, é a mais nova obra da escritora Thais Rodegheri Manzano, que retrata a história em três etapas: A Era da Inocência, da Maturidade e da Ansiedade. Com uma abordagem inédita, o livro é um romance sobre a aventura do romance. O personagem acompanha cada momento de transformação da sociedade. … Mais E se a literatura se calasse? – Cultura +, maio/2011

E se a literatura se calasse? – O Estado de S. Paulo, maio/2011

“Assim, para não deixar de existir, continuará falando e, mesmo se nada tiver a dizer, a literatura não poderá se calar.” A conclusão de Thais Rodegheri  Manzano, no fim do livro “E Se a Literatura se Calasse?” (Ed. Terceiro Tempo, 129 págs.), resume o ponto de vista da autora sobre a função da literatura e … Mais E se a literatura se calasse? – O Estado de S. Paulo, maio/2011

E se a literatura se calasse? Amálgama, setembro/2011

  “O título do novo livro da jornalista, escritora, tradutora e professora Thais Rodegheri Manzano pode enganar o leitor. E se a literatura se calasse? pode remeter ao futuro da literatura, que hoje muitos dizem não ter qualidade (enquanto ela tem, sim), ou que a arte esteja, na verdade, acabando. Ou melhor, não a literatura em si, … Mais E se a literatura se calasse? Amálgama, setembro/2011

Vera Martins – Versatille, dezembro/2012

  “Prossegue até sábado (22.12) a exposição da artista Vera Martins na Galeria Jaqueline Martins, em São Paulo. A mostra está aberta desde o último sábado (15.12) quando ocorreu o lançamento do livro Vera Martins: pintura por desconstrução, editado pela Fundação Stickel e pela Terceiro Nome. O título registra a obra da artista plástica que … Mais Vera Martins – Versatille, dezembro/2012

Alfredo Mesquita – Guia da Semana

  “Um celeiro dos melhores artistas brasileiros. É assim que muitos definem a Escola de Arte Dramática. E, embora algumas pessoas não saibam, nomes consagrados do teatro nacional já deixaram suas lágrimas, risos, abraços, gritos e aplausos nos ares da instituição. Ney Latorraca, Glória Menezes, Francisco Cuoco, Aracy Balabanian, Leonardo Villar, Elizabeth Savala, Caco Ciocler, Juca … Mais Alfredo Mesquita – Guia da Semana

Alfredo Mesquita- Penteado Mendonça advocacia

  “Marta Goes acabe de publicar Alfredo Mesquita – Um grã-fino na contramão. O livro seria uma biografia, se não fosse mais. Mas ele é mais. É antes de tudo a história da profissionalização do teatro paulista, ou de sua construção, através da análise de suas três primeiras décadas, iniciando a narrativa em meados de … Mais Alfredo Mesquita- Penteado Mendonça advocacia

Alfredo Mesquita – O Estado de S. Paulo, dezembro/2007

  “É biografia, mas tem sabor de literatura a forma como Marta Góes narra o que ia pela cabeça e pelo coração de alguns alunos ao pisarem pela primeira vez na Escola de Arte Dramática. Por exemplo, a perplexidade em sua primeira visita, em 1948, de um jovem alfaiate curioso, que mal sabia o que … Mais Alfredo Mesquita – O Estado de S. Paulo, dezembro/2007

Alfredo Mesquita – Diarioweb (site), julho/2008

  “Ler a jornalista e dramaturga Marta Góes, que vem a Rio Preto, hoje, seja numa de suas inúmeras reportagens escritas para alguns dos mais importantes veículos do País, ou num de seus livros escritos com o mais puro conhecimento do assunto, qualquer que seja o tema a que se propõe debruçar, é sempre prazeroso. … Mais Alfredo Mesquita – Diarioweb (site), julho/2008

Alfredo Mesquita – Controvérsia (blog), janeiro/2008

  “A memória cultural brasileira é um mistério. Teses, biografias, exposições esmiúçam a vida e a obra de alguns poucos vultos insignes e é só. Uma espécie de conspiração silenciosa limita o estudo do que houve após a Semana de 22 e o romance de 30. Claro, as exceções existem: Oscar Niemeyer, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, João … Mais Alfredo Mesquita – Controvérsia (blog), janeiro/2008